Tratamento do Ombro – Dry Needling + Acupuntura

 

Bom dia Leitores!

Hoje vamos falar um pouquinho sobre o paciente que sofre de dores no ombro.

Pacientes que sofrem de bursites, tendinites ou que estão passando pela recuperação de uma cirurgia na articulação do ombro normalmente demoram muito a se recuperar 100%, por isso, é interessante avaliarmos como podemos devolver a amplitude de movimento e diminuir a dor em tempo mais reduzido possível.

Para isso, uma boa dica está em associar os conhecimentos de Acupuntura aos de Agulhamento Seco (Dry Needling). Apesar da técnica de Dry Needling não ser complexa como a Acupuntura Chinesa, ela deriva dos conhecimentos orientais e deve ser estudada por todos os profissionais que manipulem agulhas.

Quando tratamos os meridianos de energia, nem sempre conseguimos liberar todas as dores dos pacientes, pois estes podem sofrer com a presença de pontos gatilho miofasciais.

Os pontos gatilho miofasciais são áreas do músculo que sofrem de hipóxia, ou seja, neles falta sangue e oxigênio, devido à própria inflamação preexistente ou por causa de algum acidente com trauma direto. Normalmente, em casos de problemas no ombro, os músculos mais afetados por pontos gatilho são:

  • Subescapular
  • Redondo Menor
  • Grande Dorsal
  • Supra Espinhal

É importante que, através de palpação, o terapeuta encontre os pontos gatilho, que, se estiverem doloridos, causando um sinal reflexo de dor no paciente, devem ser agulhados de forma profunda. Após aproximadamente 3 minutos deste tipo de agulhamento, o paciente já pode realizar o movimento restrito com maior amplitude.

Uma observação importante, é que assim como os pontos de acupuntura tradicionais, os pontos gatilho também possuem localização correta, e não há necessidade de se agulhar uma grande extensão do músculo.

Além do agulhamento seco da musculatura descrita acima, o terapeuta deverá colocar agulhas em pontos que ajudem a refazer a circulação de sangue e de energia na articulação afetada. São bons pontos de ação local:

  • IG14
  • IG15
  • ID11
  • VB21
  • P3

E de ação distal, podemos usar os pontos VB34 e VB39 que irão nutrir os músculos e tendões de uma forma geral.

É evidente que o terapeuta deverá usar outras ferramentas como a moxaterapia, eletroterapia, auriculoterapia entre outros recursos se o paciente não melhorar entre as 3 primeiras sessões, porém, se os pontos indicados neste artigo forem colocados de forma correto, é certo que o paciente irá melhorar já na primeira sessão.

Espero que tenham gostado e que seja útil.

Um grande abraço à todos!

Profa. Fernanda Mara



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

* Copy This Password *

* Type Or Paste Password Here *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>