O que é Síndrome Bi – Tipos e Tratamento pela Acupuntura

Bom dia Leitores!

Hoje nosso assunto é a Síndrome Bi.

Também conhecida como Síndrome da Obstrução Dolorosa, a “Síndrome Bi” indica DOR, SENSIBILIDADE ou FORMIGAMENTO dos músculos, tendões e articulações devido à invasão de fatores patogênicos externos, como VENTO, FRIO ou UMIDADE.

Os três males (Vento, Frio e Umidade) invadem o corpo, obstruem os Meridianos e o Qi e o Sangue não podem circular. Segundo a obra Treatment Strategies for Assorted Syndromes:

A Síndrome da Obstrução Dolorosa é proveniente de deficiência de Qi de Nutrição e de Defesa e devido ao espaço entre a pele e os músculos estar aberto, permitindo, portanto, que o Vento-Frio-Umidade penetrem na Deficiência. O Qi se torna obstruído, não podendo circular, se estagna, o Qi e o sangue se congelam, e nesse momento se desenvolve Síndrome da Obstrução Dolorosa”.

A Síndrome Bi, então, só se desenvolve se os fatores climáticos forem mais fortes que o Qi do corpo. Os Meridianos de Conexão (LUO) conectam os meridianos em pares YIN e YANG no nível dos membros e fazem uma rede de distribuição de Qi para as partes mais superficiais do corpo, não cobertas pelos meridianos principais. Qualquer manifestação externa sobre a pele é desequilíbrio dos meridianos menores. Por exemplo: Manchas azuladas ou esverdeadas mostram frio, enquanto que avermelhadas mostram calor; Vênulas vermelhas indicam calor no sangue, púrpuras indicam estagnação.

Os Meridianos Musculares também são mais superficiais que os principais e envolvem a musculatura. São envolvidos em qualquer patologia muscular, como fraqueza, tensão e rigidez e, esses sintomas também estão associados a Síndrome Bi.

Como se desenvolve a Síndrome Bi:

A Síndrome Bi, por definição, é uma doença que acontece pela invasão de fatores patogênicos externos.

O Vento é o mais agressivo dos fatores patogênicos, sendo sempre combinado com outros (notem que existe vento frio, vento úmido, vento seco e vento calor). Assim, exposição ao vento é uma causa constante de Síndrome Bi. O vento pode ser considerado como uma mudança brusca na temperatura ambiente, na qual o corpo não conseguiu se adaptar.

Na fase de invasão, o vento é considerado apenas externo, não afetando em princípio nenhum órgão interno. É importante lembrar que o vento não expelido, pode aprofundar no corpo, gerando uma circulação turbulenta de energia e sangue, afetando órgãos internos e neste momento, passa a ser considerado vento interno.

Além do vento, outras causas podem gerar a Síndrome Bi, como a Umidade, que é capaz de invadir o organismo em situações simples como permanecer sentado longos períodos em superfícies úmidas ou com roupas molhadas, costumeiro em nosso país no verão. Viver em locais extremamente úmidos também pode inclinar o indivíduo a ser invadido por umidade.

Vestir-se inadequadamente para o tempo Frio é um fator de causa para a invasão deste fator patogênico.

Embora o fator etiológico na Síndrome Bi seja o clima, outros fatores podem contribuir para o aparecimento da mesma, como por exemplo:

  • Exercício físico excessivo, trabalho com movimentação repetitiva, que irão gerar tensão muscular, impedindo a passagem de sangue nos músculos.
  • Insuficiência latente de Qi, de Sangue e de Yin, que podem ter causa genética ou sua base em outra doença crônica.
  • Acidentes que podem causar estagnação de energia unilateral no local afetado.
  • Fatores psicológicos, como a tristeza, que esgotam o Qi e o Sangue.

Diferenciação e Tratamento das Síndromes Bi:

A Síndrome da Obstrução Dolorosa (ou Síndrome Bi) é classificada de acordo com seu fator Patogênico, ou seja: Vento, Frio ou Umidade. Além destes, mais comuns, existem 2 tipos de Síndrome Bi que são considerados mais raros, porém mais complicadas e de difícil tratamento, como será visto à seguir.

Os tratamentos consistem em eliminar os fatores patogênicos: Vento, Frio e Umidade e depois fortalecer os órgãos. Também faz-se necessário tonificar os Rins (para manter os ossos fortes), o Fígado e o Vaso Governador (para nutrir os tendões e eliminar a mucosidade)

1.Síndrome Bi de Vento (ou Móvel):

É caracterizada por sensibilidade e dor nos músculos e articulações, limitação do movimento e dor que se move de uma articulação para outra, sendo esta mudança de local, a maior característica deste tipo de Síndrome Bi.

Neste caso, é preciso usar pontos para expelir o vento, como: B11, B12, VB20, VB31, VB39, VG14, TA6, F3, entre outros.

2. Síndrome Bi de Umidade (ou Tipo Fixa)

Caracterizada por dor, sensibilidade e inchaço dos músculos e articulações, com uma sensação de peso e formigamento dos membros. A dor é fixa e agravada pelo clima úmido.

Para expelir a Umidade, sugiro os seguintes pontos: BP9, BP6, VB34, E36, E40, B20.

A Moxa pode ser utilizada. No caso de articulações inchadas, deve-se utilizar sangria com Moxa no local da perfuração.

3. Síndrome Bi de Frio (ou Tipo Contínua e Localizada)

Caracterizada por dor severa em uma determinada articulação ou músculo, com limitação do movimento, geralmente unilateral.

Não existem pontos na Acupuntura que removam o Frio, por isso, o acupunturista pode escolher pontos que movam o sangue e junto à eles aplicar moxa. Sugiro:  E36, VC6, ID5, B10, VG14, VG3, B23 e VC4.

A moxa pode ser feita fixa, lã ou e varredura.

4. Síndrome Bi de Calor

É proveniente de qualquer dos 3 tipos anteriores, quando o fator patogênico se transforma em calor no interior do corpo. Ocorre por deficiência latente de YIN.

Caracterizada por dor, calor, vermelhidão e inchaço das juntas, limitação de movimento e dor severa. A artrite, por exemplo, pode ser considerada uma Síndrome Bi de Calor. Na fase aguda o paciente pode referir sede e febre que não passa após transpiração.

É necessário remover o calor. Sugiro os pontos: E43, E44, IG4, IG11, VG14, F2, TA5, entre outros.

Não se deve usar Moxa neste tipo de Síndrome Bi.

5. Síndrome Bi Óssea:

Ocorre somente em casos crônicos, é o tipo mais grave de todas as Síndromes Bi e desenvolve-se a partir de qualquer um dos outros 4 tipos.

A obstrução persistente dos fatores patogênicos gera mucosidade intensa, afetando não só os músculos, articulações e meridianos, mas também os órgãos internos.

Esse tipo causa a obstrução severa de Qi e Sangue, que pode levar a deficiência de Fígado e Rim, causando problemas como artrose, espondilite anquilosante e até mesmo o Lúpus.

Neste caso, é necessário não apenas melhorar a dor do paciente, mas também fortalecer o Fígado e o Rim. E para essa função sugiro os pontos: F1, F3, B18, B49, R3, B23, B52, VC4.

Fitoterápicos também são bem indicados, porém precisam ser escolhidos de acordo com a necessidade especial de cada paciente.

Outras sugestões de Pontos:

Os pontos que se localizam abaixo dos joelhos e dos cotovelos são importantes no tratamento das Síndromes Bi pois abrem o Meridiano e eliminam a estagnação de Qi e ajudam a eliminar os fatores patogênicos.

Os principais pontos distais utilizados são: P7, IG4, E40, BP5, C5, ID3, B60, R4, CS6, TA5, VB41 e F5.

A escolha dos pontos pode ser feita também pelo local afetado:

a)Pescoço: VB39, ID3, TA5, TA8, B60.

b)Ombro: TA5, IG4, P7, TA1, E38, B58.

c) Cotovelo: IG4, TA5, IG1.

d) Pulso: E36, BP5, VB40.

e) Dedos das mãosDedo: não possui pontos distas, porém sugiro os pontos baxiê.

f) Lombar: B40, B60, B59, B62.

g) Sacro: B40, B58.

h) Quadril: VB41, B62.

i) Joelho: BP5, ID5.

j) Tornozelo: não possui pontos distas.

l) Dedos dos pé: assim como nos dedos das mãos, sugiro os pontos baxiê.

Além dos pontos distais, o tratamento pode ser feito por pontos locais de acordo com cada área afetada. Exemplo: Dedos das mãos à ID3, TA3. Pontos Ashi e Pontos adjacentes também são utilizados.

É importante lembrar sempre que a Síndrome Bi ocorre por invasão de fatores patogênicos, e a melhor maneira de evitá-la, é fortalecendo a energia de defesa (Wei Qi). Sugiro a colocação de BP6 com moxa, ao menos uma vez por semana, associado ao ponto P9. Além de uma alimentação equilibrada, ricas em legumes e verduras verdes escuros, frutas e saladas.

Só fortalecendo a imunidade teremos a certeza de que não sofreremos de dores músculo-articulares crônicas.

Um grande abraço à todos.

Profa. Fernanda Mara



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

* Copy This Password *

* Type Or Paste Password Here *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>